out 02

#NSFW 3, 2, 1… SEX! Não abra essa materua durante o horário de expediente de trabalho

Da sedução inocente às cenas explícitas que fizeram atores jurar a pés juntos que tudo não passou de ficção, reunimos os momentos mais calientes do cinema.

A BELA DE DIA, 1967 

 

Estamos no fim da década de 60 e Catherine Deneuve é Séverine, uma dona de casa entediada que decide ocupar as tardes como prostituta num bordel. A estrela francesa aparece em lingerie, num vestido transparente que não lhe esconde o bumbum e  é amarrada a uma árvore enquanto é chicoteada. Esta última cena seria certamente diferente se fosse filmada hoje, mas para a época foi provocadora o suficiente.

 

 

ÚLTIMO TANGO EM PARIS, 1972

 

(Não vamos falar da cena da manteiga). Maria Schneider e Marlon Brando são dois estranhos à procura de um apartamento em Paris. A conversa de circunstância é substituída por um rasgar de collants e uma série de french kisses contra uma janela. Et voilà, a rapidinha mais icónica do cinema está feita.

 

A LAGOA AZUL, 1980

 

Duas crianças sozinhas numa ilha deserta aprendem a (sobre)viver com aquilo que a Natureza lhes dá. Pelo meio, crescem, tornam-se dois jovens muitos louros e atraentes (olá, young Brooke Shields) e descobrem a sexualidade nos corpos nus um do outro.

INSTINTO SELVAGEM, 1992

 

 

Esse sem duvida é o cruzar de pernas mais famoso de todos os tempos, há Sharon Stone na pele de Catherine Tramell (também conhecida como detentora do título de rainha da provocação), há um detetive que não lhe resiste e há uma série de cenas com tarja preta que dispensam descrição.

 

DE OLHOS BEM FECHADOS, 1999

 

 

A primeira coisa que vemos é um vestido a cair pelo corpo nu de Nicole Kidman. Ela revela ao marido (Tom Cruise) que já sentiu vontade de o trair, despertando nele a vontade de fazer o mesmo. Enquanto não o faz, vai sendo tentado, com direito a passagem por um clube secreto onde se fazem orgias com máscaras à la baile do século XV – com a diferença de que elas preferem o fio dental a um vestido.

 

TITANIC, 1997

 

Não é preciso gostar do filme para reconhecer e lembrar da mão de Kate Winslet colada no vidro embaçado de um Renault de 1911. Antes tinha havido um “põe as tuas mãos em mim, Jack”, dito pela doce Rose a um muito suado DiCaprio de 23 anos.

 

CLUBE DA LUTA, 1999

 

 

Diz-se que Brad Pitt e Helena Bonham Carter passaram três dias gravando o som dos seus orgasmos. Os de Marla Singer, a personagem de Carter, são bem audíveis, por isso, não estamos longe de acreditar. A cena tem um pouco de sexy como de cómico, quando o reluzente Tyler Durden abre a porta e Marla cai da cama.

CISNE NEGRO, 2010

 

Quando Natalie Portman sugeriu a Darren Aronofsky que fosse a amiga Mila Kunis para interpretar o papel de sua rival, não se lembrou que teriam de fazer sexo. Se para as duas o momento foi bem embaraçoso, já para muitos de nós, este foi o filme que nos permitiu riscar uma fantasia da lista: ver Kunis a fazer sexo oral em Portman, numa cena que termina com um orgasmo quase‑quase real.

 

LOVE, 2015

 

 

Há sexo real filmado em 3D cena sim cena não, uma ejaculação que deu que falar, uma ménage à trois e outros 500. Mesmo sem consenso, o filme não foi inserido na categoria da pornografia. O realizador Gaspar Noé dizia na altura que nos filmes para adultos não há sentimentos e Karl Glusman, que veste a pele de Murphy, tem a certeza que um porno nunca chegaria ao Festival de Cannes. E continuamos sem saber se foram usados duplos ou não.

 

 

50 TONS…

 

Nem preciso dizer que depois do alvoroço que os livros provocaram, todos queriam saber como ficariam as cenas na telona. Mesmo  Christian e Ana sendo bem mais comedidos no cinema do que foram no livro!!